Na palma da mão: a revolução do entretenimento a bordo e a gestão de viagens

Por Paulo Rezende, diretor comercial da Amadeus Brasil

897
Paulo Rezende, diretor comercial da Amadeus Brasil
Publicidade
Publicidade

Conhecidas popularmente há algum tempo como as “telinhas” dos aviões, elas reinavam absolutas no entretenimento a bordo dos voos, principalmente nos voos de longa distância. Entretanto, com o passar do tempo e com a adoção de novas tecnologias, as companhias aéreas têm feito o possível para reinventar sua oferta de entretenimento a bordo, tendo como eixo principal o uso dos dispositivos móveis pessoais dos viajantes.

Atualmente, ambos os sistemas de entretenimento (wireless e instalado nos assentos) são planejados para conviver. Contudo, algumas companhias aéreas optaram por promover a alternativa móvel, considerando sua adoção em massa e a possibilidade de entregar, na prática, a oferta de Wi-fi a bordo dos voos.

Na nossa região, a tendência de companhias aéreas como Avianca ou LATAM é, de forma complementar às telas, criar aplicativos que possibilitem ao passageiro assistir filmes, séries, conteúdo especial para crianças e verificar o mapa de voo, dentre outras funções, a partir de seus dispositivos móveis de forma gratuita e via wireless. Uma clara tendência que avança a passos largos, junto com os números da adoção de dispositivos móveis no nível global.

De acordo com um estudo elaborado pela Cisco em 2016, e estimativa é de que em 2020 70% das pessoas (5,5 bilhões de usuários) terão um dispositivo móvel, enquanto na América Latina o tráfego de dados móveis crescerá 8 vezes durante esse período. Além disso, surpreende pensar que a adoção desses dispositivos será maior que o número de pessoas que terão eletricidade (5,3 bilhões) e água potável (3,5 bilhões) em 2020.

Hoje em dia, o passageiro cada vez mais empoderado e dependente da tecnologia espera estar conectado em suas viagens e contar com uma ampla oferta de entretenimento durante os deslocamentos. As companhias aéreas, por sua vez, aproveitam essa oportunidade como uma forma de impulsionar a sustentabilidade, de inovar e de diminuir custos. Por exemplo, a holandesa KLM lançou no final de 2016 o “KLM Media App”, um aplicativo que permite aos passageiros ler cerca de vinte jornais digitais em seus dispositivos móveis e assim reduzir a quantidade de resíduos associados ao transporte de milhares de quilos de papel nos voos. A medida estima reduzir a carga em 21.000 kg/ano, o que equivale a economizar 295.000 litros de combustível no mesmo período de tempo.

Gestão de viagens em qualquer lugar

Segundo dados do mercado móvel para o setor de viagens, 87% dos momentos digitais dos viajantes se dão por meio de dispositivos móveis e, para este ano, estima-se que entre 24% e 36% das reservas online globais serão realizadas a partir desses aparelhos.

A presença móvel representa novos desafios não apenas para as companhias aéreas, mas também para as agências de viagens; desafios que vão desde manter a fidelidade dos viajantes até fazer a diferença frente à crescente concorrência. Com isso em mente, a Amadeus lançou, no começo de setembro, o Amadeus Mobile White Label, um aplicativo mobile totalmente personalizável que permite às agências oferecerem informações aos viajantes para que eles se mantenham conectados durante a viagem, por meio do celular.

A principal motivação que tivemos para trabalhar nesse aplicativo tem a ver com aproximar as agências de seus clientes de forma estrita e permanente, acompanhando assim o viajante em cada etapa de sua viagem, ajudando-o na busca e na reserva de um voo e oferecendo sugestões de itinerários, links de viagens e notificações, dentre outras funcionalidades.

É importante que empresas como a Amadeus ajudem a simplificar a tarefa das agências de viagens face às novas tendências que a indústria enfrenta. Essa solução, por exemplo, permite que as agências se insiram no mercado móvel sem a necessidade de ter que desenvolver o aplicativo desde a estaca zero, simplificando os custos que um investimento desse tipo poderia exigir.

Como podemos ver, a revolução móvel avança a passos largos e é dever de todos que fazem parte da indústria saber aproveitá-la e atender às expectativas dos viajantes, que estão cada vez mais conectados. Para isso, não basta apenas não perder os avanços tecnológicos de vista; é necessário fazer parte deles, criando e oferecendo soluções e produtos à altura do viajante do amanhã.

DEIXE SEU COMENTÁRIO