Experiências exclusivas fazem parte do turismo de luxo

Pablo Chalén, Gerente Geral da Amadeus para a região norte da América Latina

70
Pablo Chalén, Gerente Geral da Amadeus para a região norte da América Latina
Publicidade

Durante os últimos cinco anos, o crescimento do turismo de luxo tem sido maior do que o turismo em geral, com um aumento médio de 48% ao longo desse período. Além disso, a demanda por esse tipo de viagem aumentará 6,2% nos próximos 10 anos, dado superior ao crescimento geral da indústria de viagens.

Mas o luxo é subjetivo. Enquanto para alguém uma viagem de luxo pode se tratar de viajar em um iate no Ártico com um chef com estrelas Michelin prepara o jantar, para outro pode se tratar de ir a um hotel com várias opções de restaurantes, um quarto elegantemente decorado e uma boa jacuzzi. Existem viajantes de luxo permanentes e também aqueles que buscam este tipo de experiências para ocasiões especiais, mas em ambos os casos são três os atributos que buscam satisfazer durante esta experiência: conforto, sofisticação e exclusividade.

De acordo com o relatório “O turismo de luxo na Espanha 2015” da The Ostelea School of Tourism and Hospitality, os principais critérios de seleção para esta categoria de turista são: o grau de luxo da hospedagem – sofisticação (46,4% dos viajantes o mencionam como o mais importante);  o transporte em classe executiva ou de primeira classe – conforto (18,1%); e que as atividades sejam únicas – exclusividade (17,3%).

Por sua vez, no estudo da Amadeus intitulado “Future Traveller Tribes 2030” os prestadores de serviços, tais como companhias aéreas, hotéis, guias etc, declaram que seu diferencial é dar aos viajantes de luxo acesso às mais desconhecidas e maravilhosas experiências que se possam imaginar. O que estes viajantes denominam opções exclusivas são aquelas que não são encontradas em qualquer buscador online, tais como um jantar de gala no telhado do museu Peggy Guggenheim em Veneza ou uma visita privada nos subsolos do Vaticano. Quanto às companhias aéreas, Xavier Lagardère, diretor de distribuição da Lufthansa, comenta que quem viaja na primeira classe busca o excepcional e isto requer investimento constante para construir a melhor experiência. Antes da viagem, serviços personalizados são oferecidos com base nos detalhes e necessidades específicas do viajante. Se viajar de Frankfurt, são oferecidos serviços dedicados no terminal da primeira classe, como uma limusine para buscá-lo na porta do avião.

À medida que a tendência de crescimento das viagens de luxo continuar, as marcas buscarão por estes viajantes para lhes oferecer atividades além do produto material e daquelas “pré-fabricadas”. A nova era de viagens de luxo tentará obter acesso às experiências mais incríveis que o dinheiro pode comprar, apenas para poucos.

Oferta de luxo na América Latina

Dado que entre os maiores mercados emissores de turistas de luxo encontramos os EUA, China, Reino Unido, França e Alemanha, a América Latina tem o poder de se posicionar como um destino variado em oferta sem perder a exclusividade. As opções são muito diversificadas e vão desde ir ver os pinguins na Antártida, passando pelas aclamadas praias de Punta del Este, até estadias em hotéis boutique em uma ilha do Caribe. Da mesma forma, é cada vez mais comum o aluguel de propriedades de luxo que incluem cozinhas gourmet, cinemas, helipontos, iates e até mesmo centros equestres.

Como as agências de viagens podem continuar atraindo os viajantes para estes destinos sem perder a exclusividade? A chave está em uma melhor compreensão dos clientes como indivíduos. Uma etapa que exige a plena cooperação de todos os profissionais do setor de viagens. Saber o que significa o luxo em cada momento e ser capaz de adaptar-se ao longo da viagem é a fórmula do sucesso sem esquecer que as experiências são vividas por meio dos sentidos.

Da mesma forma, não se pode esquecer da tecnologia. Graças a isso, hoje em dia é possível obter informação dos viajantes desde o momento da reserva e durante todo o ciclo de viagem, conectando os diferentes profissionais e, especialmente, o agente de viagens, o arquiteto da experiência. Atualizações em tempo real sobre a viagem podem fazer com que a cadeia de luxo crie maiores comodidades ao viajante. Por exemplo, o hotel selecionado poderá oferecer o que se deseja comer prontamente à sua chegada e poderá se antecipar às suas expectativas e gerar viagens exclusivas, gratificantes e satisfatórias.

Finalmente, é importante lembrar que enquanto as classes médias emergentes buscam o aspecto material das viagens de luxo, os mercados mais maduros estão ansiosos para uma forma de luxo mais evoluída. Portanto, a oferta de viagens de luxo mais personalizadas, relevantes e exclusivas se transformará no diferencial.

DEIXE SEU COMENTÁRIO