Publicidade
Publicidade

“Queremos mostrar que o Pará tem um potencial único para que o Turismo seja explorado de forma correta, sustentável e benéfica para a toda cadeia”. Com essa afirmação, o executivo Atila Gratão, diretor do Grupo GAV, norteou a participação da empresa na quinta edição da ADIT Share 2017, evento que debate a importância da indústria de time share e fractional no Brasil e no mundo.

O encontro realizado no Rio Quente Resorts, em Goiás, reúne anualmente um público muito qualificado e nesta edição um recorde: mais de 300 participantes, entre hoteleiros, construtores, investidores, incorporadores e executivos da cadeia. Atila Gratão e Gilson Filho, diretores do Grupo GAV, acompanharam as apresentações e debates do ADIT Share 2017 muito atentamente.

De acordo com Gilson Filho, diretor administrativo do Grupo GAV, o evento reúne algo trivial para todos os participantes: negócios, debates sobre o mercado e muito aprendizado. “Fazemos parte de uma indústria que faturou mais de R$ 11 bilhões no Brasil, em 2016, e tem uma projeção para crescer 30% ao ano durante os próximos dez anos”, analisa. Administradoras, redes e bandeiras hoteleiras estão sinalizando investimentos e crédito para o setor, segundo Gilson. “Grandes redes têm se aproximado por entenderem a importância do nosso mercado”, acrescenta.

Além disso, o encontro proporcionou uma reflexão para os executivos que atuam no mercado porque aborda temas extremamente atuais. Mês com números expressivos, o Brasil ainda desbrava os primeiros passos relativos ao mercado de time share e fractional, em relação aos Estados Unidos e ao México. “Hoje, o mercado nacional tem um pouco mais de intimidade com o tema. Nossa indústria foi a responsável, por exemplo, por ajudar a continuar movimentando a indústria da construção civil no Brasil. Geramos muitos empregos e estamos ganhando força a cada dia”, Atila.

Para Atila Gratão, um dos grandes desafios é quebrar paradigmas relacionados a gestão de logo prazo, além, claro, de mostrar que esse tipo de investimento também rende a curto prazo. “Hoje, quem está investindo é o pai de família. Porém, esse é um tipo de até a geração dos seus netos poderão desfrutar desses investimentos. A cada dia, com a evolução do mercado, faremos uma venda mais segura e com melhores índices a longo prazo”, afirma.

Criar um relacionamento com o cliente desde a construção da obra, fortalecer na entrega e manter após a venda é o caminho do sucesso, de acordo com o executivo e sócio do Grupo Gav. “Temos um mercado grandioso para conquistar, mas não podemos nos esquecer de quem aposta no nosso setor. Quanto mais informação, melhor para todos. Evitamos frustações no processo de aquisição, inadimplência e geramos bons índices para investidores futuros. Queremos surpreender os clientes”, finaliza.

Projeto de Lei

Um dos pontos mais importantes debatidos durante a ADIT Share 2017 foi a tramitação do projeto de Lei que regulamenta o setor de time share e fractional. “Estamos ansiosos para a aprovação porque é ela quem vai reger o nosso negócio. Ela vai trazer mais tranquilidade aos empreendedores e investidores, assim como dará a solidez que o mercado necessita”, comenta Gilson Filho.

Nova operação em Manaus

Já em fase de construção e com inauguração prevista para 2021, o Salinas Exclusive Resort, localizado em Salinópolis, cidade mais conhecida como Salinas, no Pará, começa a ser comercializado em Manaus (AM) a partir de junho.

Desde o dia 9 de junho a empresa opera uma Sala de Vendas na capital amazonense. A operação em Manaus conta com 35 colaboradores do grupo e integra a estratégia de desenvolvimento da companhia na região Norte.

“Este será nosso segundo empreendimento a operar sob o sistema de propriedade compartilhada na região. Estamos muito otimistas e investindo fortemente neste setor”, diz Atila, referindo-se ao aporte de R$ 240 milhões feitos a partir de recursos próprios na construção do complexo Salinas Park Resort e Salinas Exclusive Resort.

Além da operação que se inicia em Manaus, o Grupo GAV conta, ainda, três outros pontos de vendas: em Belém, a operação situada em um dos principais shoppings da cidade, o Boulevard, responde por um faturamento de R$ 4 milhões por mês; em Macapá (AP), inaugurada há dois meses e que já se revela consolidada e em Salinas, posicionada entre o Salinas Park Resort e o Salinas Exclusive Resort, uma sala in house demandou investimentos de R$ 1 milhão para operar de forma integrada ao apartamento-modelo do complexo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO