A maturação do modelo Low Cost na América Latina

Victoria Huertas, Directora regional de Airlines, Amadeus América Latina

74
Publicidade

Até pouco tempo atrás, as companhias aéreas do mundo se enquadravam em duas categorias baseadas em seus modelos de negócios: por um lado, o tradicional “serviço completo”, e, em segundo lugar, as transportadoras de baixo custo, que ofereciam um modelo operacional mais despojado e simplificado. Hoje, não é assim tão simples. Como as companhias aéreas estão explorando novas maneiras para garantir o crescimento e expandir sua base de clientes a nível nacional e internacional, elas passaram a evoluir seus modelos de negócios, tecnologia e, claro, a sua gama de produtos, serviços e rotas.

Assim, temos o aparecimento de um modelo híbrido, que combina o modelo das companhias aéreas tradicionais com propostas de baixo custo. Nos próximos anos, a indústria vai classificar os tipos de companhias aéreas com base em três parâmetros: opções de produtos e merchandising – tais como refeições durante o voo, classe de cabine e lounges -, nível de serviço e conforto e a conveniência por meio da sincronização de voos, localização dos aeroportos e possíveis conexões.

Durante a última década, a América Latina testemunhou avanços na indústria. Deve-se notar que o tráfego de passageiros de voos regionais ou nacionais aumentou de 162 milhões em 2006 para 320 milhões em 2015, de acordo com dados do CAF-Banco de Desarrollo de América Latina. Em outras palavras, o potencial de mercado é enorme e os jogadores do setor sabem disso.

Assim, o modelo de baixo custo decolou fortemente. Tendo provado seu sucesso em mercados de aviação robustos como o Brasil, México e Colômbia, agora suas atenções se voltam para outros países da região. Embora entre 2011 e 2016 estas companhias aéreas tenham ganhado robustez com base no crescimento de 53% da indústria na região, mercados como a Argentina estão apenas começando a perceber sua chegada, com clientes exigentes e tarifas adaptáveis, ​​flexíveis e personalizadas.

Quando falamos sobre a maturação do modelo de baixo custo na região, devemos entender que não se trata apenas da chegada de tais companhias, mas como a indústria em geral teve de se reinventar para lidar com a tendência “baixo custo”. Nesse sentido, as agências de viagens e os operadores turísticos não são exceção. Cada vez mais, todos os players da indústria devem priorizar o investimento em tecnologia para se diferenciar e oferecer um serviço mais personalizado. Há alguns meses, lançamos o “Amadeus Light Ticketing”, uma solução de tecnologia que facilita a oferta, busca e venda de voos das LCCs e torna praticamente igual o fluxo de vendas dessas empresas daquelas ditas regulares.

Estimativas apontam que tráfego aeroportuário irá triplicar nos próximos 24 anos, e a América Latina contará com cerca de 25 aeroportos de classe mundial, que permitem o deslocamento de mais de 25 milhões de passageiros por ano. À luz destes números, as companhias aéreas que irão prosperar serão aquelas que oferecerem o melhor serviço ao cliente, com construção de alianças com outras companhias aéreas e expertise em tecnologia para inovar e se posicionar de forma a estar intimamente ligadas às expectativas do mercado de passageiros. O modelo chamado ‘baixo custo’ na região terá muito trabalho a fazer e desafios a superar, mas, acima de tudo, oportunidades infinitas para continuar crescendo e provando que está aqui para ficar.

DEIXE SEU COMENTÁRIO