Quando me perguntam se os agentes de viagens estão chegando ao fim, entrando em extinção, costumo responder que não estamos sumindo e sim nos gourmetizando. Afinal, cliente nenhum sai de casa disposto a comer feijão com arroz, apenas.

Gourmet é um ideal cultural associado com a arte culinária da boa comida e bebida, de haute cuisine (alta cozinha). Assim um vinho ou um restaurante diz-se gourmet quando este é de alta qualidade e está reservado a paladares mais avançados e a experiências gastronômicas mais elaboradas. Por consequência os produtos e ou refeições gourmet são normalmente mais caras que os seus equivalentes não gourmet. Via: Wikipédia

A Gourmetização é um fenômeno que invadiu os mais diversos tipos de redes sociais e tvs abertas. Como exemplo, temos o incrível sucesso de Master Chef, na Band e do Hell’s Kitchen, no SBT, fora os inúmeros canais de sucesso no YouTube sobre o assunto.

Comer, além de uma necessidade, é uma paixão mundial, um estilo de vida, praticamente todas as nossas atividades culturais ou profissionais de algum modo envolvem comida.

Você já parou para imaginar nos negócios milionários que já foram feitos em jantares?

O que dizer de um treinamento de uma operadora, marcado para depois do expediente sem um coffee break ou um jantar? Por melhor que o conteúdo seja, a fome acaba afetando a visão e audição dos participantes.

Calma, não estou pedindo para você abrir uma cozinha em sua agência de viagens ou fechá-la para viver o mundo da gastronomia – se bem que a ideia não é ruim – , mas para mostrar que por mais comum ou tradicional que uma atividade seja, há sempre um toque a mais a ser dado, algo diferente a ser feito, simplesmente porque existem pessoas que consomem qualidade, não se importam em pagar “um pouco mais” desde que os benefícios sejam devida e claramente apresentados.

Sim, o seu cliente jamais vai pagar R$ 1000,00 em sua passagem aérea enquanto ele tem na internet por R$ 700,00, nem você pagaria tamanha diferença em um mesmo produto, e me desculpe a franqueza, mas se você sobrevive focado apenas em aéreo, você está no mercado ainda por um milagre, e contar com milagres não é bom para os negócios.

Diante dos avanços da tecnologia e concorrência com serviços on-line, o agente de viagens precisa mais do que nunca deixar a fera que há dentro de si se libertar e partir de forma “agressiva” para as vendas. Passar menos tempo pensando no fim da profissão e focar nas contas do fim do mês. Duas coisas são mais que certas nessa vida: a morte e as contas a pagar.

“Se o mundo é uma selva de pedra, organize um safári e coloque o seu mark up”.

Os clientes da atualidade não querem mais comprar viagem, eles querem saborear novas experiências. Eles querem perspectivas, novidades, encantamentos e surpresas, boas surpresas. A internet vende, o agente de viagens orienta, alerta, monitora e dá suporte.

Mas e a crise?

Eu não sou cego, eu também estou presente em uma das maiores crises financeiras da história do Brasil, inflação, corrupção escancarada, dólar estratosférico… Mas e aí? Você vai se jogar no chão e esperar a morte chegar?

A crise limita mas não extermina a humanidade. A boa notícia é que ela é passageira, e os que sobreviverem a ela aprenderão uma lição para toda a vida, ficarão mais precavidos para as próximas que possam surgir.

Lembre-se que a crise afeta todo o mercado, e o mercado precisa se ajustar a ela. Se novos impostos surgem, todo o mercado precisará passar pelas adaptações necessárias para que os prejuízos sejam amenizados, afinal se o turista deixa de viajar, toda uma cadeia é afetada, não somente a sua empresa. Portanto, sorria! Não é só você que está lutando contra a crise!

Em 2015, diante da crise e alta do dólar, muitas promoções, especialmente de aéreos, surgiram para compensar esse fator desmotivador, pois as cias aéreas não podem decolar com os assentos vazios. Ajuste-se, adapte-se ou morra.

Voltando para a gourmetização, ao contrário do que muitos pensam, é justamente na época de escassez que precisamos redobrar os esforços, fazer a diferença, usar a criatividade, dar um sabor a mais ao nossos produtos, ouvir mais o cliente e se ajustar às suas necessidades.

Afaste-se de pessoas negativas, foque nas alternativas, alternativas essas que somente você poderá buscar em conjunto com a sua equipe.

A sua empresa depende apenas de você.

DEIXE SEU COMENTÁRIO